No mundo das artes existem diversas histórias de superação e de artistas que fizeram a diferença em suas áreas…

Muitas vezes enfrentando limitações físicas e de enfrentamento a dificuldades de várias espécies.

No entanto vamos destacar uma das lendárias figuras do rock n’ roll, Rick Allen baterista do Deff Leppard.

Ele que, após um acidente perdeu seu braço esquerdo, mas retornou ao grupo e fez história do rock, sendo considerado um fenômeno da bateria e um ícone do grupo Def Leppard.

Com uma história espetacular de superação, determinação e segurança pessoal, vale a pena conhecer esta lenda viva do rock n’ roll.  

Biografia

Richard John Cyril Allen  nasceu em Dronfield, Inglaterra, em 1/11/1963 e sua trajetória até se tornar o baterista do Deff Leppard e se tornar Rick Allen, foi iniciada ainda muito jovem.

Com apenas 15 anos de idade, em 1978, entra para o Def Leppard em substituição a Frank Noon.

Ao completar 16 anos, passou a se dedicar em tempo integral como músico do grupo, deixando de estudar.

Tinha uma característica artística que o projetou mundialmente e que era o de se apresentar tocando de calção com uma estampa da bandeira da Grã-Bretanha, sem camisas e utilizando luvas pretas.

Com uma técnica bastante admirada e pessoal, foi rapidamente reconhecido pela crítica especializada como um fenômeno da bateria e comparado aos grandes mestres do instrumento no rock, tais como John Bonham, do Led Zeppelin, Keith Moon, do The Who e Neil Peart, do Rush.

A projeção de seu trabalho acompanhou o destaque que a banda obteve com a gravação do disco Pyromania, em 1983, que elevou a banda a um reconhecimento internacional de maneira definitiva.

O trágico acidente

Como baterista do Deff Leppard e sua projeção internacional, Rick Allen acabou se excedendo no consumo de álcool e o fascínio pela velocidade, que se tornou um vício habitual para este artista.

E isso cobrou um preço muito alto para ele, pois para comemorar a passagem de ano com seus pais, no dia 31 de dezembro de 1984 Rick Allen dirigia seu Corvette rumo a cidade inglesa de Sheffield e ao ser ultrapassado por um Alfa Romeo, ele manteve uma competição com este veículo e após várias tentativas de ultrapassem perdeu o controle de seu carro em uma curva, vindo a capotar.

Neste acidente ele foi arremessado para fora do carro e o cinto de segurança, que estava mal colocado, acabou amputando seu braço esquerdo.

Ele estava acompanhado de sua namorada que mesmo tendo ficado presa às ferragens não sofreu maiores ferimentos.

Seu braço foi reimplantado, porém sofreu rejeição e por apresentar infecções consecutivas foi decidido pela equipe médica que deveria ser amputado.

Após essa tragédia, ninguém apostava em seu retorno aos palcos, somente o próprio baterista não considerava a hipótese de abandonar a carreira e contando com um apoio total de sua banda, que não quis substitui-lo e cancelou os shows agendados, em apoio ao amigo.

A superação e adaptação do baterista do Deff Leppard

Três semanas após o acidente ele teve alta do hospital e logo em seguida foi á Holanda para estudar com a ajuda de engenheiros, um kit que permitisse tocar apenas com o braço direito, para isso foi criado um rig eletrônico, fabricado pela marca Simmons e que permitiu reiniciar seu trabalho.

Após 20 meses da tragédia que mudou sua vida ele retornou como baterista do Deff Leppard, participando do festival Monsters of Rock de 1986.

Sua superação, que contribui para seu retorno à banda foi possível graças ao kit de bateria que ajudou a desenvolver e que foi capaz de combinar uma série de elementos acústicos e eletrônicos.

A principal inovação deste acessório é que introduziu na bateria um sistema de pedal triplo, que permite ao músico acionar com seu pé esquerdo, e simula a função de um braço virtual.

Ele permite ainda a opção de reproduzir sons do bumbo, caixa e de um dos tons da bateria.

Ao tocar, Allen alterna os movimentos de seu pedal, conforme a música, mantendo quase sem perdas os elementos de percussão originais.

Assim ao combinar abatida do tambor da caixa, na marcação do ritmo com movimentos de batidas com a mão direita permite obter o mesmo efeito que um baterista que utilize os dois braços, mantendo assim a função da bateria normal.

Sua bateria aparentemente é idêntica as demais, exceto pela quantidade maior de chimbals, em número de 3 e que estão colocados de forma fixa acima da caixa, permitindo uma liberdade de execução do baterista, que não o impede de realizar sua especialidade que é a de ser um magnífico baterista.

Um conjunto de loops auxilia a efetuar um complemento de sonorização e repetições de batidas gravadas.

Tendo que se adaptar a este novo instrumento e a uma realziade bem distinta do que estava acostumado, Rick Allen conseguiu participar do álbum Hysteria, como sendo o primeiro álbum gravado após o acidente e que foi um imenso sucesso, com vendas que superaram 25 milhões de cópias em todo o mundo, sendo considerada a maior venda de um disco da história do Deff Leppard.

Discografia

Rick Allen o baterista do Deff Leppard, participou da banda em todos os seus sucessos e gravou os seguintes álbuns:

Legado

Como baterista do Deff Leppard seu legado não poderia ser mais importante, pois foi determinante para auxiliar a fazer um trabalho dentro do rock n’ roll, que marcou e se consolidou dentro de uma banda extraordinária e com um baterista fenomenal.

Rick Allen é muito mais que o baterista do Deff Leppard, é o cara que demonstrou ao mundo que a determinação de um ser humano não encontra limites de superação e exemplo de dignidade.